Está chegando o Natal e a maioria de nós a celebra de alguma forma, independentemente de sua religião. Mas, ao contrário do que muitos pensam, o Natal não começou a ser celebrado exclusivamente após o nascimento de Jesus segundo a Bíblia.

A origem do Natal ao redor do mundo

Apesar da comemoração Cristã, que é a mais conhecida e celebrada por todos nós, a história do Natal começa, na verdade, pelo menos 7 mil anos antes do nascimento de Jesus. É tão antiga quanto a civilização e tem um motivo bem prático: celebrar o solstício de inverno, a noite mais longa do ano no hemisfério norte, que acontece no final de dezembro.

Na Mesopotâmia, a celebração durava 12 dias. Já os gregos aproveitavam o solstício para cultuar Dionísio, o deus do vinho e da vida mansa, enquanto os egípcios relembravam a passagem do deus Osíris para o mundo dos mortos.

Na China, as homenagens eram (e ainda são) para o símbolo do yin-yang, que representa a harmonia da natureza.

A origem do Natal cristão

Na verdade, não há registros oficiais da data em que Cristo veio ao mundo – o Novo Testamento não diz nada a respeito. Então, visto que em Roma os católicos queriam fazer uma celebração que batesse de frente com as comemorações pagãs, o historiador cristão Sextus Julius Africanus instaurou o aniversário de Jesus no dia 25 de dezembro, data em que também era comemorado o nascimento de Mitra, deus da colheita. A Igreja aceitou a proposta e, a partir do século 4, quando o cristianismo virou a religião oficial do Império, o Festival do Sol Invicto começou a mudar de homenageado.

Não dá para dizer ao certo como eram os primeiros Natais cristãos, mas é fato que hábitos como a troca de presentes e as refeições suntuosas permaneceram. E a coisa não parou por aí. Ao longo da Idade Média, enquanto missionários espalhavam o cristianismo pela Europa, costumes de outros povos foram entrando para a tradição natalina. A que deixou um legado mais forte foi o Yule, a festa que os nórdicos faziam em homenagem ao solstício. O presunto da ceia, a decoração toda colorida das casas e a árvore de Natal vêm de lá. 😀

Outra contribuição do norte foi a ideia de um ser sobrenatural que dá presentes para as criancinhas durante o Yule. Em algumas tradições escandinavas, era (e ainda é) um gnomo quem cumpre esse papel. Mas essa figura logo ganharia traços mais humanos.

E foi assim que tudo começou, antes mesmo de como conhecemos. Mas seja lá em como você conhece a origem do Natal, desejamos apenas uma coisa: que a sua noite do dia 25 seja repleta de felicidade e amor! <3

Fonte: Revista Superinteressante