Com a correria do dia a dia, manter uma dieta balanceada enquanto adulto já é difícil e essa tarefa fica ainda mais complicada quando se é responsável por garantir uma alimentação infantil saudável também.


Os momentos de refeições são muito importantes para a saúde das crianças, por isso separamos aqui algumas informações e dicas para te ajudar a cuidar do prato e do futuro dos baixinhos.

Imagem de diversos vegetais e frutas em cima de uma mesa. Alguns dos itens estão dentro de pratos brancos, outros estão cortados pela mesa.
Uma boa dica para preparar um prato com comidas saudáveis para o dia a dia é criar uma refeição colorida (Foto: Freepik)

Nutrientes necessários na alimentação infantil saudável

Basicamente, as crianças precisam dos mesmos nutrientes que um adulto, mas em quantidades diferentes, dependendo da idade e particularidades de cada uma.


Vamos destrinchar e explicar melhor quais são eles e para saber qual a quantidade ideal para seus filhos e suas faixas etárias, é preciso ter o apoio de profissionais de saúde e montar uma dieta específica para eles.


O único jeito de saber se a alimentação do seu filho está sendo suficiente ou que ele está recebendo os nutrientes necessários é através de exames médicos e da análise da curva de crescimento, então o acompanhamento mensal de um pediatra é essencial nos primeiros meses de vida.

Proteínas

As proteínas são compostas por cadeias de aminoácidos e são fundamentais para o desenvolvimento dos ossos, do cérebro, músculos e tecidos.

Onde encontrar? 

  1. – Carnes vermelhas e brancas
  2. – Ovos
  3. – Laticínios
  4. – Soja
  5. – Quinoa
  6. – Amêndoas

Carboidratos

Os carboidratos são a maior fonte de energia para nosso corpo, mas é importante tomar cuidado com sua origem e com a quantidade ingerida.


Prefira oferecer aos seus filhos alimentos ricos em carboidratos complexos, porque além de provocarem uma sensação de saciedade por mais tempo, diminuem o risco de diabetes por evitar picos de produção de insulina.


Outra dica valiosa é trocar o consumo de alimentos que sejam à base de farinha branca por produtos integrais.

Onde encontrar?

  1. – Arroz
  2. – Batata
  3. – Castanhas
  4. – Grão de bico
  5. – Lentilha

Ferro

Crianças costumam sofrer bastante com deficiência em ferro, então é preciso ficar de olho nisso ao tentar manter uma alimentação infantil saudável. 


Elas precisam de uma alta quantidade de ferro no dia a dia, pois é importante para seu crescimento físico e mental, além de prevenir a anemia.

Onde encontrar?

  1. – Feijão
  2. – Fígado de boi
  3. – Espinafre
  4. – Couve
  5. – Carne vermelha

Cálcio

O cálcio é o principal nutriente responsável pelo desenvolvimento e crescimento de ossos e dentes nas crianças.


É importante que ele seja bastante consumido na infância, pois é nesse período que o corpo começa uma reserva óssea que será muito útil no futuro, principalmente para as mulheres.

Onde encontrar?

  1. – Leite
  2. – Couve
  3. – Soja
  4. – Espinafre
  5. – Chia

Vitamina A

A vitamina A é um lipossolúvel que se armazena no fígado, necessário na alimentação infantil saudável, pois ajuda no desenvolvimento das células e da pele. 


A vitamina A ajuda a manter a saúde dos olhos e sua deficiência pode causar até mesmo cegueira total.

Onde encontrar?

  1. – Cenoura
  2. – Abóbora
  3. – Ervilha
  4. – Batata doce
  5. – Ovos

Meu filho é vegetariano e agora?

Em relação aos nutrientes e ao desenvolvimento do seu filho, você não precisa se preocupar, pois mesmo optando por não consumir carnes ou até mesmo cortando qualquer produto de origem animal, é possível ter uma dieta com tudo o que é preciso para uma alimentação infantil saudável.


Os pais só precisam ficar atentos e identificar boas fontes vegetais para atingir as necessidades nutricionais. 


No caso de dietas restritivas, é fundamental ter acompanhamento de um nutricionista e fazer exames regulares para verificar se a criança está recebendo a quantidade certa e necessária de nutrientes e vitaminas.

Foto de uma mulher sentada em uma poltrona azul, vestindo uma blusa branca, amamentando um bebê enrolado em uma toalha branca.
Uma maneira de garantir uma alimentação infantil saudável é a amamentação exclusiva até o bebê completar seis meses (Foto: Freepik)

Amamentação exclusiva

Os dois primeiros anos são decisivos na vida de uma pessoa e é preciso ter atenção total para uma alimentação infantil saudável. 


Durante esse período, o corpo passa por estágios de crescimento e desenvolvimento que têm repercussão por toda a vida e a amamentação é fundamental e extremamente necessária.


Conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), durante os seis primeiros meses de vida, a criança deve estar em amamentação exclusiva, ou seja, que seu único alimento seja o leite materno – ou a fórmula, em casos específicos de mães que não podem ou não conseguem amamentar.


Recomenda-se também que a criança seja amamentada já na primeira hora de vida e por até dois anos ou mais. O momento do desmame depende de diversos fatores e é uma decisão tomada pela família, até mesmo pelo próprio bebê, mas não deve acontecer antes dos seis meses.

Só o meu leite é suficiente?

Muitas mães acabam questionando a amamentação exclusiva por temerem que seu leite pode não ser suficiente para suprir as necessidades de uma alimentação infantil saudável, mas não há nada com que se preocupar.


O leite materno é totalmente adaptado às necessidades da criança nos primeiros anos de vida e adequado especialmente para fornecer a quantidade ideal de nutrientes, calorias, gorduras, água, proteínas e vitaminas que seu bebê precisa.

Foto de uma menina pequena, sentada à mesa, comendo macarrão com uma colher.
A introdução alimentar deve começar por volta dos seis meses e é o momento da criança começar a criar hábitos de alimentação saudável que vão influenciar toda a sua vida (Foto: Freepik)

Introdução alimentar

A partir dos seis primeiros meses de vida, é recomendado que se comece a fazer a introdução alimentar, ou seja, que o bebê comece a ser apresentado a diferentes comidas saudáveis em seu dia a dia.


É importante ressaltar que a introdução de alimentos novos na dieta da criança não implica que a amamentação deva ser interrompida, pelo contrário, principalmente na fase de adaptação, esse método é apenas um complemento na alimentação infantil saudável.

O que preciso saber?

A introdução alimentar pode ser um período bastante estressante para os pais e para o bebê, por isso é preciso alinhar as expectativas com a realidade.


Pode ser que em um primeiro momento, a criança estranhe e recuse os alimentos e isso é totalmente normal! Trata-se de uma experiência completamente desconhecida para ela e é preciso ter paciência e carinho.

Como fazer?

A comida deve ser introduzida lentamente e de forma gradual e o ideal é fornecer opções de alimentação variadas e ricas em macro e micronutrientes.

Para uma alimentação infantil saudável é preciso trabalhar com os quatro principais grupos de alimentos: hortaliças e frutas, carnes e ovos, cereais e tubérculos e grãos. 

Inicialmente, você deve oferecer apenas alimentos in natura e separadamente, para que a criança possa conhecê-los de verdade, descobrindo seu gosto e textura. 


Não há necessidade de usar o liquidificador ou transformar em papinha, basta amassar um pouco a comida para que ela fique mais pastosa e caso necessário, cozinhar um pouco para amolecer.


No intervalo das refeições, você pode começar a oferecer água filtrada e fervida para seu bebê.

Foto de uma família, com mãe, bebê e pai, sentados à mesa, tomando café da manhã.
As principais refeições do dia são momentos que devem ser aproveitados em família e são ótimos para promover uma alimentação infantil saudável (Foto: Freepik)

A temida hora de comer

Como já comentamos, a hora das refeições pode ser bastante difícil para algumas famílias, por isso separamos algumas dicas de como transformar esse momento temido em uma experiência agradável para todo mundo.

O que fazer:

Faça das refeições principais momentos em família

Sabemos que nem sempre é possível reunir a família em todas as refeições, mas se possível, tente ter todos à mesa durante as três refeições principais: o café da manhã, almoço e janta.


As refeições, mais do que essencialmente para se alimentar, são situações de socialização. São ideais para aproximar as pessoas, investir no relacionamento familiar e criar bons momentos juntos.

Dê autonomia

Quanto mais autonomia você der para seu filho na hora da alimentação, claro que com supervisão e oferecendo opções saudáveis, maiores são as chances de ele crescer sem traumas de comida.


Coloque-o para comer junto com a família, em sua própria cadeira e com seu próprio prato. Dê liberdade para que ele segure os utensílios ou então use as mãos. Esse é um momento de descobertas e tudo isso faz parte dessa experiência.


A criança inevitavelmente vai se sujar, mas se preocupe com isso depois das refeições. Dedique tempo e paciência para criar um ambiente acolhedor e positivo.

Evite distrações

Por mais tentador que possa parecer, não tente distrair as crianças com programas de televisão, celulares ou tablets. 


É importante que elas estejam concentradas nas refeições para que possam descobrir mais sobre os alimentos. E também para que não acabem comendo demais ou de menos.

Envolva a criança na cozinha

Crianças um pouco maiores podem – e devem – participar da preparação e escolhas das suas refeições.


Isso faz com que elas desenvolvam um interesse maior nos seus alimentos e pode até motivá-las a experimentar coisas diferentes.


A educação sobre as comidas saudáveis para o dia a dia pode começar durante esses momentos, com você explicando sobre elas e apresentando as mais variadas formas de preparar as refeições.


Levá-las junto a feiras e mercados também pode ser uma boa ideia para que elas possam aprender de onde vem os alimentos e comecem a fazer escolhas saudáveis elas mesmas.

O que não fazer:

Forçar

Por mais frustrante que possa ser, às vezes a criança simplesmente não está com fome naquele momento e é preciso respeitar isso.


Não force ela a comer o que não gosta, não a engane tentando esconder ingredientes no meio da comida e não faça chantagem emocional ou ofereça recompensas para tentar fazê-la comer mais.


Forçar que a criança coma mais do que ela precisa ou então usar comida como reforço negativo ou positivo pode criar hábitos alimentares ruins e até levar à obesidade. 

Ser um mau exemplo

A família – e não estamos falando apenas da mãe ou do pai – é a principal responsável pela formação da criança e por isso, deve ser também exemplo na hora das refeições.


Não adianta tentar fazer com que seu filho coma de forma saudável e experimente alimentos novos, se você mesmo não faz isso.

 Imagem em uma escola de educação infantil. Três crianças estão sentadas em uma mesa pequena, tomando lanche da tarde e comendo frutas.
A hora do lanche costuma ser o momento de deslize na alimentação infantil saudável, mas você pode manter a rotina e preparar snacks saudáveis para seus filhos (Foto: Pexels)

Opções de lanches para uma alimentação infantil saudável

Sabemos que uma das maiores dificuldades para criar uma alimentação infantil saudável é na hora do lanche, principalmente em refeições na escola ou fora de casa.


Por isso, separamos algumas ideias de lanches e de comidas saudáveis para o dia a dia que seu filho pode levar no recreio ou que você pode deixar preparados na bolsa para passeios em família.


É importante que esses lanchinhos também contenham os grandes grupos alimentares e sejam feitos com alimentos construtores, reguladores e energéticos.

Sanduíche turbinado

Primeiro, vamos começar com a escolha do pão. Por mais práticas que as bisnaguinhas possam ser, há opções mais saudáveis e com menos conservantes.


No caso, você pode optar por pães de mandioca ou cenoura, que além de também serem saborosos, têm mais nutrientes. Se não encontrar ou se seu filho insistir na bisnaguinha, procure as versões integrais.


Para o recheio, a sua imaginação é o limite, mas aconselhamos fugir dos embutidos – como salame ou presunto -, pois são alimentos ultraprocessados e com muito sódio.


Abuse dos patês, pois são deliciosos e super fáceis de fazer. Você pode preparar usando como base ricota, queijo cottage ou cream cheese e acrescentar seus ingredientes favoritos para dar sabor. É só bater tudo no processador.

Bolo saudável!

Quem não gosta de um bom pedaço de bolo? São deliciosos e ótimas fontes de carboidratos, contanto que preparados de maneira mais saudável e fazendo algumas pequenas trocas nos ingredientes.


Você pode encontrar milhares de receitas de bolos saudáveis na internet, mas o que recomendamos é trocar a farinha branca por alguma outra com mais fibras e nutrientes, como a de amêndoas ou de aveia e substituir o açúcar refinado por açúcar mascavo ou açúcar demerara.

Petiscos saudáveis

Outra opção boa de lanche para uma alimentação infantil saudável são as frutas desidratadas, mix de castanhas e cereais sem açúcar.


A criança pode petiscar quando estiver com fome e assim evita bolachas recheadas e salgadinhos.


Foto de uma família na cozinha, preparando panquecas. A mãe, pai, filho e filha se divertem e se abraçam.
Criar hábitos de alimentação infantil saudável não é uma tarefa fácil, mas com paciência e carinho, a família pode transformar as refeições em momentos de união e alegria (Foto: Elly Fairytale/Pexels)

Depois de ler tudo isso, bateu aquela fome? Não se preocupe! A praça de alimentação do Grand Plaza está trabalhando também com delivery e oferece opções de restaurantes para a família toda e não precisa abrir mão de comidas saudáveis para o dia a dia.